Evolução do cultivo de milho transgénico em Portugal – III

Evolução do cultivo de milho transgénico em Portugal – III

Setembro de 2015 – O governo continua sem divulgar os dados oficiais relativos a 2015 sobre o cultivo de milho transgénico em Portugal. Enquanto dura a espera pode analisar-se a evolução portuguesa ao longo dos últimos anos. O gráfico abaixo (todos os gráficos foram construídos com base nos números oficiais publicados pelo Ministério da Agricultura) mostra a evolução da área cultivada ao longo dos anos desde que o milho transgénico MON 810 foi autorizado em Portugal (se clicar nas imagens pode vê-las em tamanho maior):

Nos últimos quatro anos a produção de milho transgénico parece ter estabilizado, apresentando pequenas variações em torno dos oito mil hectares. Este valor está muito aquém dos 137 mil hectares de milho que, no total, foram cultivados em Portugal em 2014. A pequena subida registada de 2013 para 2014 ficou a dever-se essencialmente ao Alentejo, que passou de 111 para 128 registos de cultivo e assim aumentou a área dedicada aos OGM em cerca de 450 hectares. O Algarve deixou de figurar em 2014 (em 2013 o milho transgénico tinha sido cultivado numa única propriedade). Tanto a Região Autónoma da Madeira como a dos Açores têm em vigor proibições ao cultivo de OGM.

O próximo gráfico mostra a percentagem de crescimento em cada ano relativamente ao ano anterior:

Enquanto que em 2007 se tinha verificado um aumento muito visível na área cultivada, desde então as variações têm sido muito mais modestas e, no que toca a 2010 e 2013, negativas (visto ter havido redução da área cultivada relativamente ao ano anterior). Mesmo a subida de 59% em 2011 está muito longe dos 235% registados em 2007. Claramente estamos longe de uma adesão em crescendo.

Finalmente neste outro gráfico pode ver-se a proporção da área cultivada com milho transgénico relativamente à área total dedicada ao milho em Portugal:

[Todos os valores da área total dedicada ao milho em Portugal (milho grão e milho para silagem) empregues neste cálculo foram obtidos junto da Anpromis – Associação Nacional dos Produtores de Milho e Sorgo]

Embora o milho transgénico tenha ganho terreno dentro do cultivo global de milho em Portugal, verifica-se que não conseguiu para já atingir sequer o patamar dos 10%. Ou seja, continua a ser verdade que o milho transgénico em Portugal se resume a um mercado enquistado, longe de encantar a maioria dos produtores. Não é de descartar a hipótese de que a adesão aos transgénicos possa continuar a subir no futuro. No entanto, a tendência atual nos Estados Unidos é de começar a abandonar o cultivo de transgénicos, pelo que será uma questão de tempo até que o mesmo aconteça a nível nacional também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.