Error message

Não foi possível criar o ficheiro.

Alimentação de qualidade para todos!

Há muitas formas de fazer agricultura, e a agricultura biológica é bem conhecida em Portugal. Segundo as estatísticas 44% dos portugueses come regularmente frutas e hortícolas produzidos de acordo com essas regras, que proibem o uso de pesticidas e fertilizantes sintéticos e protejem a fertilidade do solo. Além disso, quatro em cada cinco portugueses acha que a política agrícola da União Europeia deve encorajar os agricultores a produzir mais alimentos biológicos.

Alimentos geneticamente modificados: como reconhecer?

Em Portugal é legal e está a ser cultivada uma variedade de milho transgénico chamada MON 810. O milho transgénico assim produzido é sobretudo utilizado nas rações para animais e portanto normalmente não chega ao consumidor (pelo menos diretamente).

No supermercado atualmente existem ingredientes transgénicos sobretudo na secção dos óleos alimentares. Várias marcas utilizam soja transgénica para fazer o óleo, embora outras continuem a usar apenas soja convencional. Para distinguir entre os óleos transgénicos e não transgénicos existe uma forma muito simples: basta ler o rótulo. Quando o óleo inclui soja transgénica então o rótulo tem de dizer que contém soja proveniente de soja geneticamente modificada. Se apenas usar soja convencional, então o rótulo não é obrigado a dizer nada sobre transgénicos.

Se gosta de saber o que come, não deixe de ler os rótulos dos óleos alimentares quando for às compras.

Glifosato, Transgénicos e (falta de) Precaução

O glifosato é um herbicida muito usado em Portugal, quer na agricultura quer em espaços urbanos, e o seu uso tem vindo a aumentar: em 2001 eram 700 e uma década depois são já 1400 as toneladas aplicadas anualmente. O nome em si – glifosato – não será muito conhecido, porque identifica apenas a substância ativa principal. Na prática em Portugal ele é vendido por múltiplas empresas sob mais de 60 nomes comerciais diferentes (Roundup, Spasor, Tornado, Montana, Touchdown, etc) sem falar das misturas com outros herbicidas.

Gostaria de nos apoiar?

FALE CONNOSCO