Autor: Plataforma

Apelo internacional ao Presidente do Instituto Europeu de Patentes, o português António Campinos

Apelo internacional ao Presidente do Instituto Europeu de Patentes, o português António Campinos

2019/01/24 – Solicitacão de uma moratória imediata às patentes de plantas e animais A No Patents on Seeds! (de que a Plataforma Transgénicos Fora faz parte), juntamente com 40 outras organizações, apresenta hoje um apelo internacional ao presidente do Instituto Europeu de Patentes (EPO), António Campinos. Solicita-se a suspensão de todos os pedidos pendentes de patentes de plantas e animais derivados do melhoramento convencional. Essas patentes abrangem vegetais, incluindo brócolos e tomate. Empresas como a Bayer e a Syngenta querem…

Continuar a ler Continuar a ler

Citação do ano

Citação do ano

“Desconfio que os estudantes de cências exactas nutrem algum desprezo pelo pessoal das humanidades. Às vezes, o desprezo é justificado. Um grupo de humanidades pode passar meses a ler e interpretar um conto de ficção científica sobre um cientista que decide clonar quatro macacos. Talvez isso não seja útil. Mas, ainda assim, é um pouco mais útil do que clonar quatro macacos.” in Estar Vivo Aleija, de Ricardo Araújo Pereira (2018)

OGM & Transgénicos

OGM & Transgénicos

Os transgénicos são seres vivos criados artificialmente em laboratório que vêm trazer muitos perigos desnecessários. Perigos de saúde para as pessoas, desequilíbrios para a Natureza e impactos para a agricultura convencional e biológica devido à contaminação e aparecimento de novas pragas, além de prejuízos para a economia pelo aumento do controlo corporativo sobre a alimentação – entre outros. Muitos são os riscos e impactos que já se conhecem sem que haja qualquer vantagem para a saúde ou o ambiente.

A Plataforma Transgénicos Fora é composta por diversas associações e inúmeros voluntários que apostam numa agricultura melhor para todos: cidadãos, incluindo agricultores, e todos os que não têm voz, desde o planeta aos que ainda não nasceram. Os únicos que têm a perder com o nosso trabalho são os defensores dos interesses económicos privados das multinacionais do agronegócio que procuram o lucro cego sem se preocupar com a fome, injustiça e degradação que semeiam à sua passagem.